logo-curadoria01
logo-curadoria02
  • Slide 03
  • Slide 01
  • Slide 04

Apresentação - Acervo Família Rodrigues

Projeto: PATRIMÔNIO VIVO DE FIRMO E DUNGA RODRIGUES: quase dois séculos de efetiva contribuição cultural.
Coordenadora: Profª Drª Elizabeth Madureira Siqueira
Promoção: Secretaria de Estado de Cultura
Apoios: Rede CEMAT – Casa Barão de Melgaço

apresentacao-familia-rodrigues01Dunga Rodrigues - 1908 – 2001   apresentacao-familia-rodrigues02Firmo José Rodrigues - 1871 - 1944

O Projeto PATRIMÔNIO VIVO DE FIRMO E DUNGA RODRIGUES: quase dois séculos de efetiva contribuição cultural nasceu de uma iniciativa pessoal, enquanto historiadora-documentalista e Curadora da Casa Barão de Melgaço, uma vez que o acervo da Família Rodrigues havia sido doado à Casa Barão de Melgaço, no ano de 2003. Para proceder ao seu arranjo, apresentamos um projeto junto à Secretaria de Estado de Cultura, vislumbrando a possibilidade de que o mesmo recebesse o apoio da Lei de Incentivo à Cultura. Depois de analisado pelos Conselho Municipal de Cuiabá e, posteriormente, pelo Estadual de Cultura, foi o mesmo aprovado. O segundo passo foi buscar apoio financeiro, conseguido junto à Rede Cemat que, por sua vez, predispos-se a apoiar a iniciativa.

O espaço físico onde o projeto se desenvolveu foi o da Casa Barão de Melgaço, instituição que forneceu todo o apoio, viabilizando as condições para seu desenvolvimento, tanto por parte da administração do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso, sob a presidência do historiador João Carlos Vicente Ferreira, quanto da Academia Mato-Grossense de Letras, presidida pelos Acadêmicos Satyro Benedicto de Oliveira e, posteriormente, por Sebastião Carlos Gomes de Carvalho.

A Coordenação do projeto esteve sob nossa responsabilidade, tendo também participado do mesmo, na categoria de Auxiliares de Pesquisa, as historiadoras Fátima Maria Melo Barboza e Vera Lúcia Eilert e a graduanda em História, Gisele Cristina de Arruda. Considerando o volume de trabalho, muito superior ao previsto, o projeto contou com a colaboração voluntária da Mestre em Educação Regina Versoza Simião, das Bolsistas de Iniciação Científica Kesley Gomes Pedroso e Priscila Bezerra Lima, vinculadas ao Grupo de Pesquisa Memória e História/IE/UFMT – sob a coordenação do Prof. Dr. Nicanor Palhares Sá – que, conhecedor das nossas dificuldades, veio, providencialmente, em nosso socorro.

O acervo documental da Família Rodrigues é um dos mais significativos de Mato Grosso não só por ter pertencido a dois eméritos mato-grossenses, professores e profissionais de expressivo e reconhecido talento, mas, também, por ser constituído de diversificadas espécies documentais: livros, revistas, papéis avulsos, fotografias, móveis e objetos. É a singularidade e, porque não dizer, a preciosidade desse acervo que garante uma gama imensa de possibilidades futuras, colocando-se hoje, graças à finalização do presente projeto, aberto à investigação e à produção científica nas mais diversificadas áreas do conhecimento.

Quando um historiador-documentalista, como é meu caso pessoal, se depara com um conjunto de fontes tão especial e raro, num primeiro instante prevalece a euforia, porém na medida em que o desafio do arranjo é posto de forma concreta, onde a competência e a técnica se tornam imprescindíveis, a capacitação se coloca, sem dúvida, como pré-requisito inevitável. Buscamos apoio metodológico junto ao Instituto de Estudos Brasileiros – IEB – organismo vinculado à Universidade de São Paulo (USP). Através de um curso voltado para arranjo de acervos privados, tivemos oportunidade de compreender as dimensões de que se reveste um acervo particular e sua correlação com um universo cultural e social mais ampliado do titular. No caso daquele de Firmo e Dunga Rodrigues, no entanto, havia um complicador maior, qual seja, a natureza Familiar do acervo, visto ter sido ele conservado não apenas por duas gerações, mas ciosamente guardado pela família há, pelo menos, quatro delas.

Assim, além do curso de capacitação, solicitamos mais apoio do IEB no tocante à metodologia a ser aplicada no acervo da Família Rodrigues, o que demandou um tempo ainda maior de estudos e discussões. Retornando de São Paulo demos início ao treinamento da equipe que estaria diretamente envolvida no projeto, visando traçar rumos seguros no tratamento arquivístico do acervo.

O arranjo teve início com leituras da literatura que versa sobre os titulares (Firmo e Dunga), assim como do conjunto de sua produção intelectual objetivando compreender, mesmo que de forma preliminar, a trajetória das duas personalidades e suas ligações familiares e sociais. O fruto desse primeiro momento se materializou na montagem de uma espécie de Cronologia/Genealogia de cada um dos titulares, instrumento que serviria para uma identificação mais precisa das peças documentais. Vale salientar que essa cronologia inicial se manteve aberta, durante todo o tempo de duração do projeto, para recepção de novos dados, acrescidos na medida em que o arranjo avançava. O segundo passo foi estabelecer os Grupos, Subgrupos e Séries através das quais todo acervo seria catalogado, assim como treinar a equipe na confecção dos verbetes responsáveis pela resenha das peças documentais.

 

A BIBLIOTECA – Privilegiamos iniciar o arranjo com o acervo da Biblioteca familiar, a qual foi dividida em duas partes: aquela cuja temática diz respeito a Mato Grosso e a de caráter genérico. Cada obra mereceu uma indexação por autor (pessoal ou institucional), seguido do título da obra, tradutor, edição, local, editora, data, coleção e código de acesso no acervo.

Exemplos:

apresentacao-familia-rodrigues03

apresentacao-familia-rodrigues04ACERVO BIBLIOGRÁFICO DE MATO GROSSO – as obras raras mereceram encadernação. Total de títulos: 509

apresentacao-familia-rodrigues05ACERVO DE CARÁTER GERAL - Os assuntos são variados, incluindo compêndios escolares. Total de títulos: 752

 

O ACERVO FOTOGRÁFICO: composto de uma grande variedade de imagens – 682 fotos –, este acervo foi trabalhado peça a peça, descrito com critério e precisão possível, visto que a grande maioria não possuía qualquer identificação. Uma boa parte do acervo é composta de fotografias datadas do início do século XX, emolduradas em papelão decorado, sendo que a outra parte é avulsa, sem qualquer moldura especial. Pequena quantidade delas está emoldurada com contornos em madeira ou metal e, assim, foram conservadas. As temáticas são variadas: familiares, amigos, personalidades mato-grossenses e nacionais e paisagens do Brasil e do exterior.

Exemplo de fichamento:

apresentacao-familia-rodrigues06

apresentacao-familia-rodrigues07Benedicta Alves Rodrigues (mãe de Firmo Rodrigues)   apresentacao-familia-rodrigues08Maria Benedita Deschamps Rodrigues (Dunga), aos 9 anos de idade

 

O MOBILIÁRIO E OS OBJETOS: os móveis e objetos incorporados ao acervo da Família Rodrigues é um dos mais expressivos da cultura material de Mato Grosso, especialmente da cuiabana. Os móveis e as peças documentais mereceram restauração e/ou limpeza e peça a peça foi catalogada e devidamente numerada.

apresentacao-familia-rodrigues09Bolsas que pertenceram a Dunga Rodrigues

apresentacao-familia-rodrigues11Jóia confeccionada em ouro maciço e brilhantes, ovalada e contendo a fotografia do avô materno de Dunga Rodrigues. Essa jóia foi guardada por, no mínimo, três gerações. Foi originalmente colocada neste estojo confeccionado em madeira e forrado

apresentacao-familia-rodrigues12Caixas de guardar jóias, cartas ou lenços

apresentacao-familia-rodrigues14Móveis após a fase de restauração

 

PAPÉIS AVULSOS: constituem a parte mais expressiva do acervo, seja pelo volume (quase 9.000, sendo 7.000 de Dunga e 2.000 de Firmo) ou pelas informações de que são possuidores. Integram o este acervo: correspondência (cartas, cartões, bilhetes, telegramas), cartões pessoais, documentos pessoais e familiares (diplomas, certificados), produção intelectual (textos já publicados e inéditos, diários de viagem, anotações avulsas), transações comerciais e financeiras (cheques, notas fiscais, recibos) etc. O seu arranjo se deu através da separação dos papéis que se encaixavam nos seguintes Grupos:

GRUPO 1 – ATUAÇÃO PROFISSIONAL – AT
GRUPO 2 – DOCUMENTOS DE FAMÍLIA – DF
GRUPO 3 – DOCUMENTOS PESSOAIS – PI
GRUPO 4 – FORMAÇÃO INTELECTUAL – FI
GRUPO 5 – PRODUÇÃO INTELECTUAL – PI
GRUPO 6 – RELAÇÕES FAMILIARES – RF
GRUPO 7 – RELAÇÕES SOCIAIS – RS
GRUPO 8 – TRANSAÇÕES COMERCIAIS E FINANCEIRAS – TCF
GRUPO 9 – UNIVERSO DE INTERESSE – UI
GRUPO 10 – SEM VÍNCULO APARENTE – SVA

Exemplo de fichamento dos Papéis Avulsos:

apresentacao-familia-rodrigues15

apresentacao-familia-rodrigues16

apresentacao-familia-rodrigues17Cartões Postais do início do séc. XX

apresentacao-familia-rodrigues19ATUAÇÃO PROFISSIONAL – Carreira docente Caderno com anotações de aulas de matemática (Firmo Rodrigues)

apresentacao-familia-rodrigues20DOCUMENTOS PESSOAIS - Carteira de Trabalho pertencente a Firmo Rodrigues (capa e página de rosto)

 

ACONDICIONAMENTO DO ACERVO DE PAPÉIS: O acervo de papéis avulsos foram acondicionados em caixas-arquivo e colocados em envelopes etiquetados, contendo o verbete correspondente ao conteúdo do documento.

apresentacao-familia-rodrigues22Disposição dos papéis avulsos em caixas-arquivo separadas por Grupos e ordenadas

 

AVALIAÇÃO: o projeto, iniciado em dezembro de 2003, mereceu uma estimativa, quanto ao volume documental e ao tempo necessário à sua execução, muito aquém da realidade, visto que o acervo foi levado para a Casa Barão de Melgaço em caixas grandes – livros, revistas, jornais e papéis avulsos. Na medida em que este material foi sendo trabalhado, pudemos nos certificar de seu extensíssimo volume. Considerando que cada peça documental foi catalogada de forma personalizada, o trabalho demandou mais tempo do que o previsto. Acreditamos que o consulente poderá, através do presente cd-rom, obter as informações necessárias para subsidiar a pesquisa, bastando, num segundo momento, ir pessoalmente à Casa Barão de Melgaço solicitar os documentos de seu interesse, tendo por base o Código de acesso. Para um historiador-documentalista, a experiência no tratamento do acervo da Família Mendonça foi extremamente rico no campo da sistemática de arranjo de acervos Familiares, e seus efeitos merecerão repercussão tanto no âmbito regional quanto nacional. Mato Grosso consagra, com este trabalho, uma experiência que consideramos inédita no campo do arranjo de Acervos Familiares, servindo nossa experiência e a metodologia de arranjo por nós estabelecida, exemplares e dignos de serem repassados aos demais centros de pesquisa do Brasil e do exterior.

Agradecemos à Secretaria de Estado de Cultura/Conselho Estadual de Cultura por acreditar em nossa propositura inicial, consubstanciada na aprovação do projeto; à Rede Cemat pelo apoio e credibilidade; à Casa Barão de Melgaço (IHGMT e AML) pela acolhida do acervo e viabilização dos trabalhos; à UFMT/Pós-Graduação em Educação/Grupo de Pesquisa Memória e História, pela solidariedade e apoio incondicionais.

 

Profª Drª Elizabeth Madureira Siqueira
Coordenadora do Projeto

 

Últimos Vídeos

Documentário Casa Barão de Melgaço.
Um dos maiores símbolos mato-grossenses do conhecimento histórico e intelectual.

titulo historia em imagens

Isác Póvoas

familia-rodrigues034

Isác Póvoas

Nasceu em Cuiabá-MT, no dia 4 de janeiro de 1886, descendendo de Pedro Fernandes Póvoas e Galdina Virgínia Póvoas.

Seus primeiros estudos foram cursados em Cuiabá, bacharelando-se em Ciências e Letras pelo Liceu Salesiano São Gonçalo.

Na vida profissional, iniciou carreira como professor interino e depois catedrático de Literatura e Lógica do Liceu Cuiabano, estabelecimento que chegou a dirigir entre os anos de 1916 a 1920, exercendo o mesmo cargo no ano de 1925. Lecionou também na Escola Normal.

Leia mais...